Instituição é a 14ª escola do Brasil a ser certificada pelo Bacharelado Internacional

O Colégio Positivo Internacional acaba de conquistar uma das mais disputadas certificações de ensino multilíngue do mundo. Com ela, os alunos egressos da instituição podem ingressar nas principais universidades dos Estados Unidos, Europa e Ásia. A unidade do Colégio Positivo, localizada dentro do maior câmpus da Universidade Positivo, conquistou o certificado de ensino global e multilíngue concedido pelo Bacharelado Internacional (IB), prestigiada organização não governamental, com sede na Suíça, voltada ao desenvolvimento de projetos educacionais em todo o mundo.

De acordo com a diretora do Colégio Positivo Internacional, professora Audry Castello Branco, somente escolas autorizadas pelo IB podem oferecer qualquer um dos três programas acadêmicos da organização, que promovem relacionamentos saudáveis, responsabilidade ética e desafios pessoais, com currículo amplamente equilibrado, conceitual e interligado. “Esses programas fazem com que os alunos se esforcem para se tornar questionadores, conhecedores, comunicadores, pensadores, solidários, de mente aberta, arrojados, íntegros, equilibrados e reflexivos. Esses atributos representam uma ampla gama de capacidades humanas e responsabilidades que vão além do desenvolvimento intelectual e sucesso acadêmico”, explica.

Além disso, com o IB, os alunos podem ingressar em mais de 2.500 universidades do mundo. Entre as que aceitam estudantes de outros países com certificados de conclusão de curso reconhecidos pelo Bacharelado Internacional estão as TOP 10 dos Estados Unidos (Princeton, Williams College, Stanford University, University of Chicago, Yale University, Harvard University, United States Military Academy, Columbia University in the City of New York, Pomona College e Swarthmore College, nesta ordem, segundo a revista Forbes). “O certificado é o mais evidenciado no mundo pelos estudantes”, afirma Audry.

O processo para o Colégio Positivo se tornar uma escola internacional começou com a apresentação da candidatura, logo na inauguração da primeira turma, há quatro anos. O IB foi procurado por ser a instituição mais requisitada no mundo para certificar escolas internacionais. A organização suíça tem histórico de tradição. Fundada nos anos 1960, foi criada para estimular junto aos alunos um ensino sustentável, globalizado e que envolva as diversas culturas das nações. “O reconhecimento do Bacharelado Internacional é um marco para todo o Grupo Positivo”, ressalta a diretora.

O trabalho até atingir a certificação envolveu toda a comunidade escolar. Um consultor do IB esteve presente durante o período da candidatura do colégio para analisar a estrutura, o material didático, o sistema de ensino e o corpo docente. Os cerca de 800 alunos do Ensino Fundamental e Médio e 120 colaboradores (dos quais 90 professores) participaram de todo o processo de avaliação, mostrando ao representante do IB como as atividades multilíngues são aplicadas no dia a dia. Segundo a diretora, a capacitação dos professores e alunos e a sensibilização das famílias foi algo dinâmico. “Todo mundo se envolveu na busca pelo certificado. Foi um desafio imenso unir o DNA do Sistema Positivo de Ensino a uma metodologia internacional reconhecida como uma das melhores na formação de crianças e adolescentes”, lembra Audry, que destaca ainda que a conquista vai ao encontro da missão do Grupo Positivo: “o certificado de escola internacional agrega valores que visam a transformar o mundo economicamente e socialmente por meio da educação”, finaliza a diretora.

Formando cidadãos do mundo
Além de ser reconhecido pelo IB, o Colégio Positivo Internacional é afiliado ao Programa de Escolas Associadas (PEA) da Unesco, mantendo o compromisso de engajar alunos e professores em projetos que estimulem a cultura da paz, em benefício de uma sociedade mais justa. Além disso, toda a comunidade escolar é estimulada, dentro e fora das salas de aula, a adotar uma postura mais responsável em prol do meio ambiente. Tecnologia, literatura, artes e esportes também fazem parte do dia a dias dos estudantes, que passam mais de 40 horas por semana na escola.